«aquela magia da música que vem do éter, é um hábito que se está extinguir (…) a rádio enquanto escuta caseira é um hábito que faliu e que nos fugiu, e não há maneira de voltar». António Sérgio in "Suplemento DN" de 08 de Julho de 2005

terça-feira, 3 de julho de 2007

O fim dos dias da telefonia – IV

Tecnologicamente, a rádio avança ao sabor dos tempos. Dos emissores a válvulas termiónicas e receptores de galena, às recentes emissões digitais em surround 5.1, a rádio acompanhou todas as convulsões tecnológicas a que a indústria da electrónica – principalmente no áudio - foi protagonista.
Quando a rádio era um medium sem concorrência, as condições económicas não permitiam que todos tivessem um receptor. Com o avanço da tecnologia (principalmente com a invenção do transístor) e da economia, os receptores tornaram-se mais pequenos e mais acessíveis. Mas isto também se aplicou a outros media. A televisão massificou-se na década de 1950, a cassete áudio aparece na década seguinte (em 1963, mas já descontinuada*), o Walkman da Sony nasce em finais dos anos 70 (1 de Julho de 1979) e os videogravadores tornaram-se um aparelho cada vez mais comum em casa. O Compact Disc inicia a revolução digital no início da década de 1980, tendo, nessa altura, os jogos vídeo dado um passo de gigante. O computador torna-se um centro multimédia nos anos 90, com a Internet, e os Leitores de Áudio Digital são a sua extensão portátil. Todos estes aparelhos, de alguma forma, concorrem com a rádio e contribuem para que ela fique em segundo plano.
A rádio também sofre com a globalização. Quando há uma crise económica, a primeira medida que as empresas tomam é cortar no orçamento publicitário – e a rádio vive exclusivamente de publicidade. Uma empresa pode deslocar a sua produção para um país onde os trabalhadores são pagos miseravelmente, para aumentar os lucros, mas a rádio não pode transferir as suas emissões para, por exemplo, a China.

* A propósito do fim da cassete áudio analógica, o jornal “Público” apresenta, na edição de hoje, um texto interessante sobre este assunto, no caderno P2 (não está online).

2 comentários:

tarzanboy disse...

Uma explicação sucinta e clara sobre a queda da rádio. Quanto às cassetes, estou a tentar passar tudo o que tenho para CD... mas ainda tenho cassetes virgens (com o plástico por fora e tudo! :)

filha da terra disse...

Caro Jorge,
uso deste espaço para saber se tu conheces alguma rádio que gostaria de ter um correspondente no Brasil. Sou jornalista há 25 anos, muitos dos quais, no rádio brasileiro e, por amar tanto esse veículo, gostaria de saber sobre essa possibilidade.
aos amigos do rádio, um abraço,
obrigada,