«aquela magia da música que vem do éter, é um hábito que se está extinguir (…) a rádio enquanto escuta caseira é um hábito que faliu e que nos fugiu, e não há maneira de voltar». António Sérgio in "Suplemento DN" de 08 de Julho de 2005

domingo, 27 de julho de 2008

Rádio Clube em Ondas Agitadas

São demissões atrás de demissões. As notícias (e as audiências) vão dando conta que algo vai mal para os lados da Rádio Clube. Os Objectivos traçados por Luís Osório são cada vez mais uma miragem e se as últimas audiências não correspondem ao prometido, as próximas serão piores.

O que falhou na Rádio Clube? A resposta é simples: Tudo! A aposta foi tardia e mal feita. O primeiro erro foi lançar uma estação emissora recuperando um nome mítico da rádio Portuguesa, Rádio Clube Português (RCP), mas que do qual já poucos se recordavam. Nessa altura, em Março de 2003, outro erro foi o RCP ter reaparecido com um formato idêntico ao já praticado pela Renascença e, em parte, pela Antena 1, em vez de aparecer com algo novo – o que era cariz do antigo RCP. Copiou formatos na tentativa de retirar ouvintes às estações que concorriam no seu segmento (RR e Antena 1). Foi um fracasso de audiências, mas, ainda assim, com melhores resultados do que os obtidos nos últimos tempos.

O erro seguinte foi a Rádio Clube Português mudar de nome e formato: designa-se apenas como "Rádio Clube" e passa a emissora de notícias. Mais uma vez a aposta foi tardia e mal feita. O intento era ocupar o lugar da TSF – Rádio Notícias ou o da Antena 1. Os resultados estão à vista: têm menos três pontos percentuais do que a TSF e que a Antena 1, na Audiência Acumulada de Véspera.

Mais alguns erros foram cometidos: prometeu-se 20 a 25 convidados por dia no programa da manhã (07h-10h). Ninguém levou a sério esta promessa e nunca foi concretizada. Como é que em 180 minutos se encaixam 20 convidados (quanto mais 25)? Só se forem cidadãos anónimos a dar opiniões e mesmo assim… Quem trabalha nos media sabe o quão dificil é arranjar convidados para um programa em directo. Tudo foi muito vago. Na altura, Luís Osório afirmava que «o Rádio Clube vai ser uma estação generalista de informação, que pretende discutir a liderança das audiências em todos os horários sem, no entanto, fazer concorrência à TSF, Renascença ou Antena 1». É preciso ser objectivo e firme. Devia ter afirmado imediatamente, e não mais tarde, como aconteceu, “vamos fazer concorrência a…”. Há, no entanto, uma verdade: a Rádio Clube não fez concorrência a ninguém.

O que era preciso para que a Rádio Clube superasse a concorrência? Simples e difícil, ao mesmo tempo. O "simples": contratar os melhores da concorrência. Não só jornalistas, mas também animadores, técnicos, sonorizadores, etc. Gente que saiba de "Rádio". A seguir, “desenhar” uma estratégia. Apostar na formação nas melhores estações mundiais do género. O "difícil": fazer melhor que a concorrência (mas é possivel) e tudo isto custa muito dinheiro.

6 comentários:

Anarka disse...

Não há dinheiro, não há palhaço!

vitoscano disse...

Boa Analise e já agora despeçam o Luis Osório e refaçam tudo de novo,ele destroi tudo em que se mete.

Elca disse...

Também concordo com a análise. Acho que o Sr. Luís Osório abriu a muito a boca. Aposto que em Setembro a Rádio Clube vai estar abaixo de 1% de AAV.

BC disse...

Quero ver quanto é que os senhores da Prisa vão aguentar.

MárioPorto disse...

A rádio é para o "povo". Deixem-se de merdas e... modernizem-se.

Anónimo disse...

Como é que é possível que os espanhois não vejam o que o Osório é?
Está certo que o Cassiano não tem feitio fácil mas percebe de rádio. É um bom produtor. Era uma das mais valias da estação que são muito poucas. Qualquer dia é o Luisito o único por lá... Se as audiências são tão más...