«aquela magia da música que vem do éter, é um hábito que se está extinguir (…) a rádio enquanto escuta caseira é um hábito que faliu e que nos fugiu, e não há maneira de voltar». António Sérgio in "Suplemento DN" de 08 de Julho de 2005

terça-feira, 15 de julho de 2008

Sobre o (extinto) Museu da Rádio

Rogério Santos é um entusiasta da rádio. O seu blogue – Indústrias Culturais – reflecte isso mesmo. Nesse seu espaço, o autor tem defendido e promovido a cultura prestando um verdadeiro serviço público.

Foram já vários os textos em que Rogério Santos defendeu o Museu da Rádio. O texto de 14 de Julho é mais um. Desta vez, é pedido a Pedro Jorge Braumann que, sendo ele o Director do Núcleo Museológico da Rádio (e da Televisão), «reconsidere – ou diga a quem teve a ideia para reconsiderar – a criação de um espaço de museu virtual, sem mais nada. Os visitantes querem peças reais, físicas. Para virtual, já temos a Internet».

Lamento as decisões culturais deste governo (e muitas outras não culturais, mas isso são “contas de outro rosário”), principalmente a do encerramento do Museu da Rádio. Aquele espaço, encerrado em finais de 2007, era um dos melhores e mais completos do mundo, com um espólio que incluía peças raras, senão únicas.

Senhores governantes (politicos em geral) e administração da RTP: lembrem-se das palavras de Almada Negreiros (será que leram, sabem ao menos quem é?): «Não há cultura sem civilização, nem civilização que perdure sem cultura».

2 comentários:

Inês disse...

Uma vez que não consigo comentar no blogue do Rogério Santos, aqui vai: não me convence a desculpa das "funções executivas" alegada pelo responsável. Quem não está de acordo com uma política ou decisão, demite-se do cargo. Quem está de acordo, executa.
Um Museu apenas Virtual é, obviamente, um erro.

Anónimo disse...

É só treta para mamar. A mama acabou.