«aquela magia da música que vem do éter, é um hábito que se está extinguir (…) a rádio enquanto escuta caseira é um hábito que faliu e que nos fugiu, e não há maneira de voltar». António Sérgio in "Suplemento DN" de 08 de Julho de 2005

sexta-feira, 5 de janeiro de 2007

Fim das emissões em A.M. está em debate

Os ingleses têm a mania que são diferentes do resto do mundo e se não fossem os americanos tinham a mania que eram os donos do mundo. Na rádio não seria de esperar que fossem diferentes. Segundo o jornal inglês Telegraph, o fim das emissões em Amplitude Modulada (A.M.) no Reino Unido já está em discussão.
É curioso que enquanto o resto do mundo vai desistindo do DAB, em Inglaterra este sistema está em franca expansão. E não entendo porque querem acabar com a A.M., pois só a BBC Rádio Five tem, em Onda Média, 5.7 milhões de ouvintes.
As emissoras de A.M. podem trabalhar em Onda Média (O.M.), Onda Curta (O.C.) e em Onda Longa (O.L.). A O.C. é a mais utilizada para transmissões a longa distância, e sendo a Inglaterra um país com fortes tradições nas emissões em inglês e noutras línguas para territórios longínquos, não vejo como irão chegar aos ouvintes de outros pontos do globo. O DAB não está vocacionado para este tipo de emissões (trabalha em VHF e em UHF, portanto com um curto raio de acção), as emissões radiofónicas via satélite requerem equipamento receptor caro, assim como as emissões em DRM (mas a Inglaterra não se interessa por este sistema). Será que também estão a pensar em terminar com o serviço internacional da BBC?
P.S. - Cheguei a esta notícia do Telegraph através do Atrium.

1 comentário:

José Alberto Mostardinha disse...

Viva Jorge:

Foi um acaso e um prazer conhecer o teu blog.
Em relação ao artigo a pergunta que fica é:

- E aí no meio disso tudo como fica o FM?


Um abraço,